Modernidade, informalidade, empreendedorismo e barbárie

1. Os caminhos imprevistos da ciência A ciência progride pelos caminhos mais imprevistos possíveis. Na obra recém-publicada, intitulada Semiótica, Direito & Arte: entre Teoria da Justiça e Teoria do Direito[1]– que conta com os prefácios de François Ost, Antoine Garapon e José M. A. Linhares – me reencontro com o meu próprio percurso acadêmico, iniciado no campo … Ler mais

Mídias sociais, teorias da conspiração e estratégias eleitorais

Mesmo antes das redes sociais se tornarem parte da rotina de muitos indivíduos, as falsificações de notícia seguiam ritmo intenso.[2], O que ocorreu nos últimos anos foi a ampliação do alcance e aprofundamento do processo de desinformação, atacando as verdades que poderiam ser objetivamente descritas. É preciso ter em mente que desinformação, nesse caso, não … Ler mais

Democracia e o problema da verdade na era das fake news

Por Renato Francisquini
Nos últimos anos, assistimos atônitos à proliferação de um sem número de narrativas cuja relação com os fatos não passa, para dizer o mínimo, de pura especulação. Por certo, não se trata de fenômeno inédito ou exclusivo do contexto atual, marcado pela quebra do monopólio da imprensa tradicional na difusão de notícias e na interpretação da realidade.

Memórias de um Carnaval: reconhecimento facial e vigilância contemporânea

Por Álvaro Okura de Almeida, Alexandre Arns Gonzales, Rafael Sanches e Tathiane Moreira
A intensificação da vigilância e a securitização cotidiana da vida urbana não tiram folga nem durante o Carnaval. Além da subversão autorizada, temporária e anônima dos valores e hierarquias sociais e políticas, nossa tradicional festa foi também atravessada por uma vontade de disciplina e controle.

Bolsonaro e as redes sociais: nas eleições e depois

Por Alexandre Arns Gonzales
Álvaro Okura de Almeida
Rafael Sanches
Thatiane Oliveira Moreira

– Ainda levaremos alguns anos para reconstruir os processos de mobilização social que, juntos e desordenadamente, resultaram na eleição de Jair Bolsonaro (PSL). Podemos aventar uma série de hipóteses e variáveis políticas e sociais como possíveis explicações para a improvável vitória do deputado sabidamente racista, machista e apoiador da ditadura.